O Planeta dos Macacos de Pierre Boulle

Créditos: Livro em Cena

Título: O Planeta dos Macacos
Autor: Pierre Boulle
Páginas: 2016
Editora: Aleph


Sinopse: Em pouco tempo, os desbravadores do espaço descobrem a terrível verdade: nesse mundo, seus pares humanos não passam de bestas selvagens a serviço da espécie dominante... os macacos. Desde as primeiras páginas até o surpreendente final – ainda mais impactante que a famosa cena final do filme de 1968 –, O planeta dos macacos é um romance de tirar o fôlego, temperado com boa dose de sátira. Nele, Boulle revisita algumas das questões mais antigas da humanidade: O que define o homem? O que nos diferencia dos animais? Quem são os verdadeiros inimigos de nossa espécie? Publicado pela primeira vez em 1963, O planeta dos macacos, de Pierre Boulle, inspirou uma das mais bem-sucedidas franquias da história do cinema, tendo início no clássico de 1968, estrelado por Charlton Heston, passando por diversas sequências e chegando às adaptações cinematográficas mais recentes. Com milhões de exemplares vendidos ao redor do mundo, O planeta dos macacos é um dos maiores clássicos da ficção científica, imprescindível aos fãs de cultura pop.

    É muito difícil fazer resenha de obras que são consideradas clássicas. Nesse momento, estou bastante receoso em resenhar O Planeta dos Macacos, pois algumas obras alcançam um nível tão alto que, para alguns, se tornam intocáveis. Tentarei o máximo possível respeitar a importância que essa obra teve para a ficção científica e para a cultura pop, mas também farei uma análise sincera, tentando identificar os pontos altos e baixos do livro.

    O livro começa contando a história de um grupo de 3 homens, o jornalista Ulysse Mérou (que acaba se tornando o personagem principal da história), um renomado cientista e seu aprendiz. Eles estão deixando a Terra e indo em direção a uma região do espaço onde se encontra a enorme Betelgeuse, uma estrela gigante que se encontra próxima à constelação de Centauro. Ao se aproximarem da super-estrela, eles descobrem quatro planetas próximos à mesma, e resolvem explorar um daqueles planetas. Ao chegarem lá, eles o batizam de Soror, e descobrem que o planeta é bem parecido com a Terra. Após um tempo, eles descobrem que existem humanos por lá. Quando os exploradores entram em contato com o grupo de humanos, eles descobrem que eles não são muito diferentes de animais, agindo de maneira primitiva e não possuindo nenhum traço de “humanidade”. Pouco tempo depois, eles são surpreendidos por macacos (isso mesmo, macacos!), que destroem o acampamento daquele grupo de humanos, assassinam alguns por pura diversão e levam alguns outros como prisioneiros. Os macacos se comunicam através de uma linguagem idêntica à dos humanos (apesar dos exploradores não entenderem aquele idioma), expressam emoções como humanos e, como pontua Ulysse, nesse planeta, são eles, e não os humanos, que possuem espírito.

      Eu não continuarei contando a história para evitar possíveis spoilers, mas a partir desse momento, o livro levanta uma questão muito interessante. Nós, seres humanos, sempre nos sentimos muito superiores em relação aos outros animais por termos aquilo que chamamos de espírito. Nos sentimos muito superiores por conseguirmos nos comunicar através da fala, escrita e símbolos, por termos desenvolvido armas, automóveis, eletricidade, e por aí vai. É óbvio que essa capacidade nos deu uma vantagem enorme em relação aos outros animais, e por causa disso conseguimos nos adaptar de maneira que conseguimos viver em diversos ambientes, e conseguimos dominar várias áreas do conhecimento. O ponto central aqui levantado é em relação ao porque, ou seja, qual é o motivo de termos aquilo que é chamado de consciência, e que nos possibilitou todo esse avanço. Ulysse, com certa presunção, fala que nós somos especiais por termos espírito, e se questiona sobre qual seria o motivo daqueles humanos não o possuírem, mas os macacos, que ele considera seres inferiores, possuírem espírito em seus corpos.

    Durante toda a história da humanidade, sempre nos consideramos portadores de algo místico que nos diferencia dos animais, e até hoje fazemos isso. Mas nos esquecemos de que o mapa genético de um bonobo é 98,7% semelhante ao nosso, e de que esse grupo de primatas emite comportamentos MUITO parecidos com o nosso. Será se eles possuem metade de um espírito e nós o possuímos por completo, ou será que nós, devido ao fato de termos um cérebro um pouco mais complexo e um córtex um pouco mais desenvolvido, temos algumas vantagens que nos permitiu desenvolver a fala, a consciência, e várias das nossas características que nos torna “humanos”? O autor nos mostra, durante a saga de Ulysse no planeta dos macacos, que essa diferença pode ser bem sutil, e essa é, na minha opinião, a principal questão levantada pelo livro.

O Planeta dos Macacos é um livro quecomeça de maneira um pouco monótona, mas que vai acelerando com o passar dahistória e nos propicia um final épico! Um dos poucos pontos que eu não gostei do livro foi a maneira rápida que a história é contada, deixando alguns personagens um pouco “pobres”, devido à falta de descrição dos mesmos, mas ainda assim é possível se apegar e gostar bastante de alguns deles (principalmente a Zira <3). Eu, como um amante da Teoria da Evolução, adorei a questão levantada pelo autor, questão essa que questiona qual seria a diferença entre os homens e os macacos em um ponto de vista essencialista. Mas o livro não se resume a isso, tendo vários momentos de tensão, alguns momentos de ação e até alguns momentos de romance.

Selo Jon approves!

Nota:






22 comentários:

  1. Tenho curiosidade de ler esse livro, as questões levantadas parecem bem interessantes.
    Beijos
    Mari
    www.pequenosretalhos.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Mari,
      O livro é muito bom, recomendo fortemente!

      Beijos.

      Excluir
  2. Oi Jon,
    Sempre tive curiosidade de ler o livro, já que adoro os filmes, tanto os antigos quanto os mais atuais. Se você nunca viu os filmes antigos aconselho você a assistir, são bem fieis ao livro, pelo que me parece.
    Beijos
    Blog Relicário de Papel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Jéssica,
      Eu só assisti aquele do Tim Burton. Não gostei muito, é bem diferente da história dos livros. Mas preciso assistir o filme mais antigo, já ouvi falar que é bem fiel. Tem também esses mais novos, né? Preciso assistir!
      Beijos.

      Excluir
  3. Olá, tudo bem?
    Esse é um dos poucos livros que não me chamam a atenção. Acredito que é o gênero que não me atrai. Mas quem sabe mais para a frente não é? Curti muito a sua resenha e sigo o blog para acompanhar as próximas dicas de leitura. Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Faby, estou ótimo! E você?
      É sempre bom nos aventurarmos em novos mares... eu nunca gostei de Star Wars, mas só foi eu assistir o episódio IV que eu me apaixonei! Hahaha. Dê uma chance para o livro, é uma leitura bem corrida e interessante. Ah, e obrigado pelo elogio, é sempre bom saber que vocês estão curtindo meu trabalho! Continue acompanhando o blog, sempre estamos publicando conteúdo novo.
      Beijos :)

      Excluir
  4. Oiie, tudo bem?
    Então, assisti aos filmes, mas não me chamaram muito a atenção. Há pouco tempo fiquei sabendo dos livros e, apesar de ver que você gostou,eles não meatraem muito, acredito que seja o gênero.
    Vou deixar pra próxima!
    http://oxenteleitora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Olá,
    eu nem sabia que era livro, pois é. Mas vi o filme e sei lá, estranho demais, não gostei.
    De qualquer forma acho interessante essa questão de nos sentirmos superiores, será que somos mesmo ?
    É bom saber que o livro tem uma dinâmica agradável e que não fica cansativo.
    Beijos
    www.estilo-gisele.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Eu acho essa história sensacional. Os seres humanos acreditam estar acima da natureza, o que ferra tudo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Lílian,
      Pois é, nossa soberba está acabando com tudo, inclusive com o nosso planeta.
      Beijos.

      Excluir
  7. Olá Tudo bem? Nunca li nada do autor, porém já assistir o filme, mas não gostei tanto assim para que o meu interesse para ler ele, apesar disto gostei muito da sua resenha e quem sabe futuramente leia...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Ingrid,
      Não julgue o livro pelo filme hahaha. É muito difícil eles acertarem na dose, e ainda acabam destruindo a imagem do livro. Dê uma chance, é um ótimo livro :).

      Excluir
  8. Oi!
    Assisti a primeira versão do Planeta dos Macacos e lembro de ter ficado chocada, mas gostei muito da história. Não sabia do livro, e pretendo adquirir em breve, pois o tema abordado é um dos meus favoritos. Fico feliz que tenha te agradado, e é mais um motivo para eu querer ler.
    Dica anotada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Ana Paula,
      Eu ainda não assisti a primeira versão, só o do Tim Burton. Leia mesmo, e depois fale o que achou. :)
      Beijos!

      Excluir
  9. Paac ;) !
    Só assisti o primeiro filme mas já percebe- se que não é nada parecido. Concordo com vc, por termos "consciência" acabamos nos sentimos superiores aos animais.
    Achei que este livro uma boa crítica à sociedade, não li ainda mas com certeza lerei.
    Gostei muito da sua resenha!
    Beijos, Larissa (laoliphant.com.br)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Larissa,
      Os filmes geralmente não conseguem captar a ideia central do livro (salvo exceções), mas não deixe de ler o livro, é ótimo! E quando ler, diga o que achou :D.
      Que bom que você gostou da resenha ^.^.
      Beijos!

      Excluir
  10. Olá, Jon!
    Acredito que nosso receio de escrever sobre os clássicos se deve ao fato dessas obras já terem sido extensamente analisadas, mas nossa reflexão é importante para entendermos sua relevância. Ainda me pergunto o que esse tal de espírito que faz o homem ter tanta soberba.
    Beijos!
    Gatita&Cia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Tati, tudo bem?
      Pois é, é muito difícil analisar clássicos, pois independente do que você fale, irá desagradar algum dos lados.
      Pois é, a existência de um espírito se mostra cada vez mais improvável, mas ainda assim o ser humano não consegue largar esse pensamento. Seria o medo? Ou será que é nossa arrogância falando mais alto?
      Beijos! :)

      Excluir
  11. Não me ache ignorante mas eu não sabia que tinha o livro. Mas eu só sabia do filme mesmo, esse eu assisti. Mas de qualquer forma não é o tipo de livro que me chame muito a atenção, mas gostei de ver seus pareceres sobre o livro.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  12. Olá,
    Imagino o quão difícil deve ter sido fazer a resenha desse clássico rsrs
    Ainda não fiz a leitura, mas vários pontos me chamam muito a atenção principalmente o levantamento do motivo pelo qual somos agraciados com tais vantagens em relação às outras espécies e a explicação que o cientista utiliza. Intrigada para saber sobre esse final épico, mesmo que saber que ele começa um tanto lento tenha me desanimado um pouco.

    LEITURA DESCONTROLADA

    ResponderExcluir
  13. Oii
    Esse livro está na minha lista: um dia na vida quero ler! hahahahah
    realmente parece ser muito bom. Pena que alguns personagens são rasos.
    Bjus

    ResponderExcluir
  14. Oie
    eu lembro quando recebi esse livro e babei na edição tão delicada e bonita, adorei sua resenha, quem leu o livro foi o colunista então não posso dizer minha opinião hahaha

    beiojos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.